quinta-feira, 13 de outubro de 2016

MINHA VIDA SE COMPLETA NA UFG. SIGO POR AQUI, AINDA EM BUSCA DA UTOPIA

Eduardo Galeano, historiador-poeta, referência para muitos de minha época de estudante, principalmente devido ao livro “As Veias Abertas da América Latina”, gostava de citar essa frase: “A utopia está lá no horizonte. Eu sei muito bem que nunca a alcançarei. Se eu caminho dez passos, ela se afasta dez passos. Quanto mais eu buscá-la, menos eu a encontrarei, porque ela vai se afastando à medida em que me aproximo. Então para que serve a utopia? Pois a utopia serve para isso, para nos fazer caminhar”.
Resolvi escrever esse texto como uma forma de repensar o meu passado, minha trajetória na Universidade, como um instrumento a introduzir para boa parte daqueles que o lerem, o que desejo encarar para os anos que virão. O que convencionamos chamar de futuro. E, assim, seguirei caminhando, olhando a utopia no horizonte. Luto para não perdê-la de vista. Não perderei. Não a perdi, mesmo nos momentos mais difíceis de minha vida, quando tive que lidar com a morte de minha querida filha.
Já escrevi neste Blog, e também nas páginas do livro “Depois que você partiu”, o quanto a UFG foi importante para mim naqueles momentos. Mas também em muitos outros. Aqui construí meus sonhos, forjei minha ideologia, construí um caminho de luta e esperança e finquei meus pés com firmeza, consciente de que minha história estava escrita nas páginas dessa universidade. Aqui percorri meus anos de estudante de graduação, pós-graduação, de professor, de militância estudantil, sindical e de representação da comunidade científica. Somando-se cada um desses períodos que dediquei à Universidade me deparo com um tempo considerável: 34 anos. Somente por dois anos, desde 1980, não estive presente nesses espaços que me fez ser o que sou. Em 1989 fui para Araguaína, onde por quase dois anos lecionei na Faculdade de Ciências Humanas e Letras (FACILA), um dos embriões da atual Universidade Federal do Tocantins. Mas em 1990 retornei, para fazer um mestrado, que concluí em 1994, com defesa em março de 1995. No mesmo ano entrei como professor substituto no curso de Geografia, no antigo IQG, e fui efetivado no ano seguinte.

MINHA INICIALIZAÇÃO. AS PORTAS SE ABRIRAM, E EU ENTREI.

Mas o que se conta dessa história, se inicia bem antes, no final dos anos 1970, mais precisamente em 1979. Ano em que, politicamente, o nosso país dava um passo significativo para a redemocratização, com o retorno ao país de dezenas de militantes políticos que estavam exilados pelo enfrentamento com a ditadura militar, outros libertados da condição de presos políticos, além daqueles que saíam das sombras, pois tinham seus nomes nas listas de procurados pelos agentes do sistema de informação e repressão. 1979 foi o ano da anistia. Mas foi também o ano em que fui aprovado no vestibular de história da UFG.
Depois de tentar acesso ao curso de Jornalismo, uma paixão que me acompanhava pela facilidade com que sempre lidei com a escrita e pela leitura, terminei por sucumbir a outra paixão, a história. As dificuldades eram grandes para quem não frequentava a escola por três anos, devido à necessidade de trabalhar. O que me ajudou nessa passagem foi justamente a redação, que passou a ser exigida no vestibular exatamente naquele ano. Em 1980, portanto, eu entrava na História. Naturalmente não aquela reivindicada por Getúlio Vargas, mas sim, no curso de História, e me credenciava como o primeiro da família a ter acesso ao ensino superior. Minha história na Universidade Federal de Goiás, começa, assim, no ano de 1980, precisamente no mês de março, quando assisti orgulhosamente a minha primeira aula. Bem se vê, eu teria um longo caminho pela frente, numa ligação endógena com essa instituição que passou a completar a minha vida.
Manifestação pela Anistia
Eu vivia numa quase absoluta alienação sobre o que acontecia no país, e me lembro de somente ter feito uma ação que me ligou àquele momento tenso da política brasileira, a qual eu desconhecia. Foi o fato de ter posto o meu nome num abaixo assinado que era colhido da população que transitava pela praça Bandeirantes. Passando por ali, fui convencido da importância daquele ato. Mas o conhecimento do que por aqui acontecia naqueles tempos só fui saber depois dos primeiros meses como estudante de História. Meu engajamento foi imediato, e logo me envolvi com o Centro Acadêmico, sendo eleito no segundo semestre daquele ano como diretor de Imprensa e Divulgação.
Mas nem tudo era desconhecido para mim, em termos de realidade social. Eu já carregava comigo nas veias a herança de ser filho de um ex-vereador, que se elegeu por quatro vezes na cidade de Alagoinhas, na Bahia e foi preso com o golpe militar de 1964, abandonando a partir daí a política. Havia, contudo, algo mais, que vai ser definidor de minhas escolhas ideológicas na universidade. Meu engajamento com a igreja, por meio das comunidades eclesiais de base e do trabalho com a juventude católica, me deu a possibilidade de adquirir uma sensibilidade diante das desigualdades sociais e de conhecer, por meio da Teologia da Libertação, a força das ideias revolucionárias. Assim tive minha iniciação nas ideias marxistas, mas com uma forte convicção idealista. “O Caminhar da Igreja com os Oprimidos”, livro de Leonardo Boff, foi, por assim dizer, o meu catecismo, e pelo qual adquiri o entendimento necessário para um engajamento nas lutas contra as injustiças e no conhecimento da complexidade da sociedade, com o conhecimento de que esta se estrutura por meio de classes sociais que se antagonizam e que dá à uma minoria a condição de governar o mundo e se impor sobre os pobres. Daí para meu envolvimento com o marxismo foi um tempo bem curto, e aconteceu naquele mesmo ano de 1980.
Manifestação e prisões em
07/09/1981 em meio a uma
greve nacional dos estudantes.
Comecei, portanto, a minha história no movimento estudantil nesse ano, e no ano seguinte organizamos na UFG, em sintonia com a UNE (União Nacional dos Estudantes), um movimento que irrompeu por todo o país, culminando na maior greve geral da história das lutas estudantis. Todas as universidades brasileiras aderiram à greve, e a UFG, após dezenas de assembleias por cursos e unidades, e uma longa e profunda discussão, deflagrou a paralisação em uma assembleia de forma avassaladora, com mais de dois mil estudantes, quase unanimemente apoiando. Por mais de cem dias sacudimos o país no segundo semestre daquele ano. No dia sete de setembro, quando decidimos realizar um ato ao final do desfile do sete de setembro e no momento da agitação por meio de palavras de ordem para sensibilizar a população que estava presente, fui detido juntamente com outros colegas e jogado no fundo de um camburão, uma daquelas velhas Veraneios pretas de tristes lembranças. Levado para o DOPS (Departamento de Ordem Política e Social) fui fichado e em seguida encaminhado à Polícia Federal, para ser indiciado por atos “subversivos” e enquadrado na famigerada Lei de Segurança Nacional. Embora em seus últimos suspiros, a ditadura militar mantinha sua prática costumeira repressora, aliada aqui a um governo biônico, sem representatividade popular, posto que ainda não tínhamos retomado o direito livre ao voto. O governo de Goiás era comandado por Ary Valadão, do PDS, partido que sucedeu a ARENA (Aliança Renovadora Nacional), da base de sustentação da ditadura militar.
Os anos 80 foram de intensas mobilizações sociais, estudantis, operárias, dos professores, e de diversos segmentos que voltaram a se organizar e fortalecer suas lutas. Após as eleições de 1982, dando início ao processo de redemocratização brasileira, mas ainda sob a tutela dos militares e sem o direito de escolher o presidente, deu-se início a uma grande mobilização popular que culminaria em 1984 nos grandiosos comícios em defesa das eleições diretas para presidente da República.
Paralelo a isso a organização estudantil se fortalecia a partir de suas bases, os centros acadêmicos, os DCE, as UEE sendo reconstruídas, e a UNE que voltou com força em 1979. Depois de entrar no movimento estudantil, com o batismo feito no Congresso da UNE na cidade de Piracicaba em 1980, e nesse mesmo ano ter me tornado diretor do Centro Acadêmico, continuei por mais dois anos me destacando no curso de História, até me tornar presidente nos anos de 1982/1983.
Estudantes pulam catraca de ônibus,
num movimento que durou meses
Nessa mesma época pudemos participar de um dos maiores movimentos da história dos estudantes goianos. Por cerca de três meses levamos adiante um movimento conhecido por “pula catraca”, quando nos rebelamos contra o aumento das passagens dos ônibus coletivos, ao mesmo tempo em que protestávamos contra as péssimas qualidades do serviço. Como de imediato conseguimos um forte apoio dos estudantes, em um momento que as entidades estavam bem fortalecidas, juntamos essas reivindicações com outra maior. Passamos a exigir o meio-passe estudantil. Foi uma luta espetacular, com mobilizações impressionantes, e com grande impacto na sociedade. Embora a ditadura militar ainda não tivesse sido derrotada, aqui em Goiás o governo que resistia ao diálogo conosco e evitava ceder na concessão da meia passagem era o governo eleito na primeira eleição direta para governadores. Íris Rezende, eleito pelo PMDB, demorou a aceitar nossas reivindicações, além de reprimir nossa luta de forma implacável. Mas nosso movimento tornou-se cada vez mais forte, até que após uma grande manifestação onde mais de uma centena de ônibus foi depredada depois que fechamos todo o entorno da praça Cívica, conseguimos abrir os canais de negociações e firmar um pacto com o governo, até que fossem feitos os estudos sobre os impactos que seriam causados pela concessão dos descontos. Pouco tempo depois foi anunciado um desconto nas passagens para os estudantes, ainda não era o meio-passe, mas um terço do valor normal. As entidades aceitaram a proposta, mas continuaram exigindo o meio-passe. Alguns anos depois isso foi concretizado, a partir de um projeto de lei apresentado pela vereadora Denise Carvalho, que havia sido presidente do DCE, um projeto para a concessão do meio-passe.
Luta pelo meio passe na década de 1980.
Manifestação no Campus II
Depois desse movimento fui incorporar a diretoria do DCE. Não foi um processo eleitoral, meu nome foi indicado pelo Conselho de Entidades de Base, porque uma parte da diretoria renunciou, por discordar da pressão que fazíamos sobre o governo do Estado no movimento pelo meio-passe. Depois do DCE, onde fui diretor de Imprensa e Divulgação, assumi um cargo na diretoria da União Estadual dos Estudantes, nessa mesma função. Logo em seguida, no ano de 1984, fui indicado para a diretoria da União Nacional dos Estudantes, e me tornei vice-presidente da região Centro-Oeste entre os anos de 1984 a 1986. Naquela época a gestão da UNE era de um ano, mas como decorrência das mobilizações para aprovar a emenda das eleições diretas, foi aprovada no conselho da entidade a prorrogação do mandato. Com isso, pude participar como diretor da UNE de dois momentos históricos: a campanha pelas eleições diretas, para aprovar a emenda Dante de Oliveira e, logo em seguida, com a derrota dessa votação no Congresso Nacional, a campanha para eleição de Tancredo Neves, com o intuito de derrotar o candidato da ditadura militar, Paulo Maluf. Uma tragédia no meio do caminho, para demonstrar o quanto é difícil conquistar a democracia no Brasil, levou à morte o presidente eleito Tancredo Neves, e quis o destino que em seu lugar fosse empossado José Sarney, que formara uma dissidência no partido do governo, inclusive criando outra legenda (Partido da Frente Liberal), e que assim se tornara vice-presidente.
Membros da diretoria da UNE
Gestões 1983/1984 e 1984/1986
O governo Sarney nascia sob um manto enorme de desconfiança. Mas exatamente por isso ele precisava transitar entre todos os setores que apoiaram a frente criada para derrotar a ditadura militar. Por essa razão, seu governo foi forçado a abrir concessões, de forma a atender às pressões que se faziam de todos os lados. Em 1985 a UNE conseguiu a sua legalização, depois de uma campanha intensa e da aprovação de projeto de lei na Câmara Federal, de autoria do deputado goiano, Aldo Arantes, ele também ex-presidente da UNE na década de 1960. Eu acompanhei toda a tramitação do projeto, como vice-presidente da UNE, assim como participei da sanção do projeto no Palácio do Planalto, em um momento histórico das lutas estudantis. Uma assembleia constituinte foi aprovada e sua eleição e realização tornaram-se fundamental para a definição dos novos rumos da democracia brasileira. Muito embora não fosse a Constituição desejada, os avanços foram significativos, e em 1988 ela foi promulgada, depois de intensos debates e embates, explicitados pelo acirramento da luta de classes, principalmente devido às discussões sobre a Reforma Agrária.

COMO MESTRE: O PRAZER, A SATISFAÇÃO E OS DISSABORES DA VIDA

Em 1988 passei a me dedicar a finalizar o meu curso. Já estava por quase uma década envolvido com o movimento estudantil e por esse tempo pude participar de diversos momentos importantes na história da UFG, como o retorno à democracia com a escolha de reitor feita com a participação da comunidade universitária, e não mais indicada pelo ministro da Educação, com a reconstrução das entidades representativas de estudantes, técnicos e professores, e com a estatuinte universitária, que nos levou a realizar diversas discussões sobre a necessidade de transformações estruturais e acadêmicas em nossa universidade.
Logo após minha formatura decidi que iria ser docente de ensino superior. A oportunidade apareceu bem distante, na longínqua Araguaína, ainda então como parte do estado de Goiás, mas logo viraria município do novo estado do Tocantins. E isso aconteceu quase que ao mesmo tempo da minha chegada para ser professor na Faculdade daquela cidade. A separação do estado de Goiás, e a criação do novo estado, ocorreu junto com a promulgação da Constituição de 1988. Em 1989 me tornei professor na FACILA, mas não por muito tempo, questões políticas me impediram de continuar. Fui solidário com duas colegas que estavam sendo perseguidas pela direção da Faculdade.
Após ter me desligado da Faculdade, resolvi retornar à Goiânia. Mas desta vez não retornei sozinho. Quis o destino que aparecesse uma forte atração entre mim e uma aluna, e isso se transformou em namoro e em maio de 1990 em casamento. Essa relação dura há 26 anos, surgindo dois filhos para completar nossas vidas: Iago, nascido em maio de 1993, quando eu estava fazendo o meu mestrado; e Ana Carolina, nascida em 1997, um ano depois que me tornei professor efetivo da UFG. Meu filho seguiu os meus passos, tornou-se estudante de História e logo em seguida foi eleito diretor do DCE e depois da UNE, assumindo atualmente a diretoria de Assuntos Institucionais. Mas o destino foi cruel conosco. Ana Carolina faleceu em 2007, aos dez anos de idade, e sua morte trouxe não somente um vazio em nossas vidas, como também nos jogou em uma profunda depressão, vencida com muito esforço e superação, apoiado em solidariedade de amigos e parentes, mas que me deixou afastado por um tempo. Por alguns anos lutei contra a dor mais terrível que pode nos atingir, a de perder uma filha.
Em 2007 eu havia também saído da direção da Adufg. Tinha alguns planos, e um projeto de doutorado preparado. Foi impossível pensar em qualquer outra coisa, minha luta era comigo mesmo, suportar um sofrimento imensurável. Escrever se tornou para mim uma catarse, constituiu-se também em uma terapia. Escrevi diversas crônicas e nelas procurei expressar todo o meu sentimento, além de relembrar de momentos e fatos marcantes com minha filha. Essas crônicas estão no livro que publiquei, “Depois que você partiu”. Dessa forma também surgiu o Blog Gramática do Mundo, e por ele continuei a expressar meus sentimentos em diversos outras crônicas, acrescentadas no livro em sua segunda edição. E o blog seguiu em frente, abordando além de conteúdos intimistas, também textos sobre geopolítica, política e fatos do cotidiano. Aos poucos, assim, fui me reencontrando com meu passado e acumulando forças para encarar o presente, agora sem minha filha. Mas ela seguia sempre ao meu lado, e continua a seguir.
Primeira edição, do livro sobre
a Guerrilha do Araguaia,
publicada pela editora da UFG
O ano do nascimento da Carol, foi também do lançamento de meu primeiro livro sobre a Guerrilha do Araguaia. Em 1995 eu defendi minha dissertação de mestrado, obtendo nota máxima, numa época em que ainda éramos avaliados por nota na pós-graduação. Logo a encaminhei para a editora da UFG, por recomendação da própria banca, e acrescentei um posfácio complementando o trabalho, pois ainda retornei à região da minha pesquisa quando o livro já estava no prelo e já tinha sido aprovado para publicação. “Guerrilha do Araguaia: A esquerda em armas – 1972-1975” se constituiu no primeiro livro originado de uma pesquisa acadêmica, sobre um fato por muito tempo omitido da história. Tornei-me, assim, referencia no assunto. Quando me senti em condições de retomar minhas atividades acadêmicas, em toda a sua integridade, e com o apoio de muitos colegas de minha unidade na UFG, resolvi fazer meu doutorado. Embora inicialmente tivesse mantido o mesmo projeto, já preparado anteriormente à morte de minha filha, o envolvimento com a temática da Guerrilha do Araguaia me forçou a substituí-lo e a prosseguir na pesquisa daquele fato que já ganhava uma enorme dimensão, inclusive com a busca dos corpos dos guerrilheiros que haviam sido presos, assassinados e seus corpos escondidos. Minha presença nas expedições que buscavam esses vestígios me envolviam e isso me fez apresentar um outro projeto. Assim, pude estudar as consequências da guerrilha, na região em que o conflito aconteceu, e definir minha tese de doutorado que consegui defender em dezembro de 2013. No ano seguinte foi publicado o segundo livro sobre a guerrilha, agora como resultado da defesa da minha tese de doutorado: “Araguaia: Depois da guerrilha, outra guerra – 1975-2000. A luta pela terra no Sul do Pará, impregnada pela Ideologia da Segurança Nacional”.
Executiva Nacional dos Grupos PET
em reunião com o ministro
 Cristovam Buarque
Mas meu envolvimento, anterior à esse período, não se limitou à atuação sindical, em que por duas vezes fui presidente da Adufg. Depois de minha primeira passagem pela Adufg, e também tendo sido coordenador de curso, assumi a Tutoria do Grupo PET da Geografia. Mesmo ainda na condição de Co-Tutor, conduzi o grupo na substituição da Tutora, que assumira a direção da nossa unidade. Meu envolvimento, como sempre, foi marcado por uma dedicação a esse programa para além de nossa realidade local. Logo me tornei um dos tutores mais presentes nas lutas para evitar que esse programa fosse extinto, como se pretendia na época. Entrei para a Executiva Nacional dos Grupos PET e, com muita luta, conseguimos barrar um retrocesso que estava quase iminente e, como resultado, o programa saiu fortalecido, embora ainda precise de muito aprimoramento e de uma política de expansão, difícil de ser executada nesse momento com as mudanças conservadoras em curso e a redução dos investimentos.

A LUTA EM DEFESA DA C&T: A SBPC E A EXPERIÊNCIA NO ESTADO

Por essa mesma época (2002) assumi a Secretaria Regional da SBPC pela primeira vez, em evento realizado na UFG. Naquele momento já estava em curso uma campanha liderada pela ADUFG, que visava pressionar o governo do Estado a criar a Fundação de Amparo a Pesquisa de Goiás, e essa se tornou também uma bandeira que incorporamos no período em que estivemos à frente da Regional da SBPC.
Como consequência dessa atuação, pelo destaque também conseguido com a visibilidade de todo o movimento em prol de uma instituição estatal que fomentasse a pesquisa, fui convidado pela então Secretária de Ciência e Tecnologia, Denise Carvalho, para assumir a Superintendência de Apoio e Fomento à Pesquisa, uma das mais importantes superintendências daquela pasta, responsável por definir uma política para a área, no tocante aos investimentos em pesquisa e inovação. Mas fomos mais além, e nos debruçamos sobre a necessidade de compreender as potencialidades do Estado em arranjos produtivos locais, e demos outra dimensão ao trabalho de identificar e fortalecer as cadeias produtivas, envolvendo nesse trabalho outras secretarias do Estado. Um dos resultados mais importante de nosso esforço foi a criação da cadeia produtiva do leite, “Arranjo lácteo da microrregião de São Luís de Montes Belos”, dentro do “programa 1088 de fomento e apoio à pesquisa e aos projetos de desenvolvimento em Arranjos Produtivos Locais, Plataformas Tecnológicas e Agropolo”. Isso gerou também, por meio da Universidade Estadual de Goiás, a criação de um curso de graduação de Técnicos em Laticínios, tornando essa região referencia na produção leiteira.
Na Superintendência da SecTec-GO, prosseguimos na luta pela criação da Fundação de Amparo à Pesquisa, colocada também como uma das principais bandeiras da Secretaria, em seu planejamento. Apesar de ficar pouco tempo, e a minha saída se deu por uma escolha pessoal, essa experiência foi fundamental para compreendermos nossa potencialidade, e a necessidade de ocuparmos espaços institucionais a fim de vermos nossos melhores projetos na defesa da educação, da ciência e tecnologia, serem implantados.
Retornei à Universidade, mas me mantive presente nas lutas, principalmente na defesa da Fapeg. Até porque, enquanto superintendente, eu cumpri uma função que deveria ser atribuída à uma fundação de amparo à pesquisa, como já existia na maioria dos Estados. Tanto que, quando enfim a Fundação foi criada, após cerca de cinco anos de lutas, a superintendência de fomento e apoio à pesquisa deixou de existir no organograma da Secretaria. Mas houve um certo maquiavelismo na denominação encontrada para ela. Muito embora feita por um governo do qual eu havia participado, no segundo mandato do governador Marconi Perilo, e já na gestão da professora Raquel Teixeira, com quem sempre estabeleci boas relações e a quem respeito, entendo que a alteração do nome pelo qual tanto lutamos, embora não fosse a questão principal, terminou por diminuir uma luta que durou meia década, no esforço para que Goiás saísse da condição de um dos poucos estados que não possuíam uma fundação de amparo á pesquisa.
FAPEGO: era esse o nome que criamos em nossos abaixo-assinados, apoiados pela Adufg e pela SBPC-GO. Mas, ao ter seu projeto de criação aprovado, virou FAPEG. Tudo bem que foi criada, e isso é o mais relevante, mas todos os demais órgãos estaduais sempre contiveram a sigla GO em seu final, não se entende, portanto, a mudança. Isso, sem dúvida deu a impressão de ser outra entidade e não aquela pela qual tanto lutamos. Mas é inegável, aos que não negam a história, o papel que tivemos nessa conquista, e, modestamente, me incluo nesse esforço que significou um enorme avanço para novos investimentos em ciência, pesquisa e inovação em nosso estado. Torna-se, contudo, imprescindível lutar para aumentar o percentual orçamentário que lhe é destinado, e, o mais importante, que esses recursos sejam repassados em forma de duodécimos, automaticamente a cada mês, a fim de impedir que esses sofram contingenciamentos sempre que as dificuldades financeiras afetarem os gastos do Estado.

O RETORNO À ADUFG: DAS LUTAS SINDICAIS À DOR DE PERDER UMA FILHA

Caravana à Brasília - luta pela aprovação
de projeto que reajustava salários 2006
Em 2005, mesmo ano da criação da Fundação, retornei à direção do Sindicato. E, mais uma vez como presidente da Adufg pudemos ampliar a influência dessa entidade. Realizamos grandes mobilizações e as mais importantes, que ocorriam anualmente, foram dentro da Mostra Multicultural Milton Santos, criada em gestões anteriores. Mantivemos essas atividades, porque representavam uma forte mobilização na universidade, saindo do perfil dos eventos tradicionalmente realizados em nosso ambiente. Foi também um período de intensas discussões sobre o processo de ampliação do ensino superior, consolidado em abril de 2007, conhecido como REUNI. Participamos ativamente dessas discussões, e nos debates que diziam respeito aos interesses dos professores, num processo de discussão de uma reforma universitária que pudesse acompanhar a expansão do ensino superior. Nossa preocupação era que os professores não ficassem prejudicados com sobrecargas de trabalhos, e essa foi nossa luta por todo o processo de discussão. Não fomos contra a reforma nem a expansão, mas adotamos uma posição crítica, por entendermos que sobrecarregaria, de alguma forma, os professores. Mas conseguimos também avanços substanciais nas melhorias salariais, embora não as desejadas, que, nos anos seguinte foram sendo consolidadas com alguns avanços. Algo que nos tempos atuais e vindouros se apresenta como de arrocho e retrocessos, o que imporá a necessidade de retomada de muitas discussões e pressões para garantirmos nossas conquistas.
Como já citei anteriormente, minha saída da Adufg veio acompanhada de uma tragédia pessoal. Já no mês de junho daquele fatídico ano, 2007, nos vimos apreensivos com uma internação às pressas de minha filha, Ana Carolina, de dez anos de idade. Por dez dias de internação estivemos sob tensão, sem que um diagnóstico preciso tivesse identificado sua doença, embora, mal preparados, alguns médicos nos faziam acreditar em virose ou pneumonia. Sua recuperação foi lenta e cercada de preocupação e acompanhamento médico. Sua fragilidade, embora não fosse visível aparecia em situações estranhas e nos fazia às vezes pensar em alguma coisa pior. Quando um abatimento tomou conta de seu corpo, no mês de dezembro daquele ano, e tivemos que correr atrás de algum especialista que identificasse o problema, o tempo encurtou para sua vida. Rapidamente foi necessário interná-la, e três dias depois ela entrou numa UTI para não mais sair com vida. Foi o tempo em que o diagnóstico identificou uma leucemia, de tipo raro para criança, e por isso agiu de forma fulminante.
Foto tirada na sede da Adufg
2007.
Não há força positiva no mundo capaz de manter em pé um pai ou mãe que perde um filho ou filha. Reagimos de forma diferente, pela característica de cada um, mas o baque é muito grande, e a depressão um caminho quase que natural. Senti o golpe muito fortemente, como se uma parte de mim tivesse sido extraída, e recompor a vida demandou tempo, psicanálise, solidariedade e muita amizade. Demorei a me reerguer e praticamente por cinco anos me afastei de outras atividades que não fosse a sala de aula, que me confortava, além das viagens que me distraía. Aos poucos, depois de escrever um livro para ela e criar um Blog pra me aliviar das tensões, fui me reencontrando. Fortaleci-me com o doutorado, a publicação de outro livro e a sensação de que a vida, em sua dinâmica natural, nos coloca em desafios permanentes, e no confronto com a morte nos permite compreender que há algo que nos move para frente: ela própria, a vida. Para continuá-la devemos ter forças para superar tais adversidades e seguir em frente. Por meio de uma psicanalista compreendi que o luto não demora somente um ano, como tradicionalmente e culturalmente aprendemos desde cedo, mas que eu precisaria lidar com a perda de minha filha de tal maneira que eu pudesse sentir não mais sua ausência, mas sempre a sua presença permanentemente comigo. O período em que me abstive de participar de quaisquer atividades e isso quebrou de certa forma uma característica de minha presença na universidade, seguia essa compreensão da psicanálise, e se confirmou com o tempo. A dor, o sentimento de tristeza por perder uma filha, as saudades, isso sempre nos acompanha, intermitentemente. Mas aprendemos a conviver com uma realidade, que é insofismável, já não a tínhamos em vida. Passamos a tê-la sempre, em nossas lembranças, e a suportar e superar tamanho infortúnio.
Ao mesmo tempo, meu filho seguia um rumo parecido com o meu, como a alimentar meu orgulho de pai e a vontade de viver e de me ver nele. Tendo estudado por todo o tempo no Cepae-UFG no primeiro processo seletivo entrou na UFG, no curso de História. Logo se destacou como um jovem aguerrido e dedicado à leitura, e entrou no Centro Acadêmico e em seguida no Diretório Central dos Estudantes. Em pouco tempo chegou à União Nacional dos Estudantes, e atualmente é diretor de Assuntos Institucionais da entidade e está matriculado na Universidade de Brasília. Isso aconteceu porque eu jamais o sufoquei por todo esse tempo de sofrimento intenso, sempre mantendo mais do que uma relação de pai e filho, mas de amigos. Isso me fortalecia. Por outro lado, minha esposa, que também passou por todo esse processo, buscou na criação do Instituto Ana Carol, e depois da Cooperativa de Bordadeiras – Bordana, o aconchego por onde suportava as saudades e superava a dor. Duas instituições que surgiram nesse processo e que hoje tem nela o exemplo de superação.
É difícil fazer um relato da minha trajetória, e aqui isso acontece para um fim específico, sem deixar de falar desses momentos, porque eles foram impactantes em minha vida. Mas não me fizeram ficar prostrados, senão por um período em que procurei me refazer de um golpe tão duro. E as decisões que tomo hoje são sempre reforçadas pela crença de que seria isso, certamente, o desejo de minha filha, e, obviamente, a opinião de meu filho também me é absolutamente relevante.
Superei esse intervalo e busquei me recolocar na Universidade, porque essa era também uma necessidade, pois a vida sempre exige de nós um olhar para adiante. E, pela dor, como pela história, o passado nos alimenta, estimula e nos ensina, podendo nos tornar mais fortes, diante de determinadas circunstâncias.

O RETORNO À SECRETARIA REGIONAL DA SBPC E O DOUTORADO

Em 2010 reassumi a Secretaria Regional da SBPC, Goiás, e voltei a me envolver naquilo que sempre marcou a minha trajetória por esses anos, a defesa da Universidade e da Ciência e Tecnologia. Conseguimos realizar atividades importantes, com destaque para o Fórum de Ciência e Tecnologia no Cerrado, em sua 5ª edição, na cidade de Anápolis, numa parceria com a Secretaria Municipal de C&T; e também a publicação de um livro “Cerrados: Perspectivas e olhares”, dentro do Projeto Ciência explicando Ciência.
A decisão de retomar o projeto de Doutorado, e a efetivação desse desafio se concretizou no ano de 2010. Essa era uma necessidade em uma universidade que tornava imperativo o doutoramento. As circunstâncias e as escolhas me fizeram atrasar por esse caminho, mas não a ponto de me fazer desistir. Seria também uma oportunidade de me desafiar e demonstrar cabalmente que meu enfrentamento com a realidade me fortalecera. Dediquei-me por três anos a esse objetivo e consegui atingi-lo reafirmando meu processo de superação e me reforçando para novos desafios. Menos de um ano depois consegui a publicação desse esforço e o livro com a tese que eu defendera foi publicado, numa sequência da história que eu pesquiso desde o meu mestrado.
Em 2014 fui convidado para ser coordenador dos grupos PET da UFG, função ligada à Pró-Reitoria de Graduação. O convite foi um reconhecimento dos tutores dos diversos grupos, do trabalho que desempenhei à frente da Executiva Nacional dos Grupos PET nos tempos mais difíceis desse programa. Aceitei essa responsabilidade, e como sempre faço em tudo que assumo, me dediquei para ir além dos objetivos que a função exigia por aqui. Busquei contatar outros interlocutores das demais universidades onde o programa estava implantado, com o intuito de constituirmos um Fórum dos Interlocutores dos Grupos PET. Mas meu objetivo, e isso eu não havia escondido em nenhum momento, era me tornar mais uma vez, agora em uma nova realidade, tutor do PET da Geografia. Quando isso se vislumbrou e antes que outros projetos pudessem ser concluídos, optei por me afastar da coordenação para concorrer à tutoria.
Homenagem recebida na Câmara
Municipal de Goiânia (entre o reitor
Edward Madureira e o vereador
Fábio Tokarski) *
Mas, particularmente eu não esperava que a disputa despertasse tanto interesse. E isso se demonstrou com uma quantidade inédita de candidatos à tutoria. A partir deste momento me deparei com uma realidade até então não testada. As novas exigências curriculares impunha certos pré-requisitos que desconstrói todo o seu passado, resumindo-o a cinco anos ou menos de existência produtivista. Para quem atingiu o doutoramento tardiamente, isso era fatal. Pouco valia, em meu currículo, toda a experiência que adquiri à frente de uma luta que salvou este programa e já ter composto a executiva nacional dos tutores PET. Importava, fundamentalmente, o que eu produzira nos últimos três anos. Isso não foi suficiente para me qualificar, muito embora, de forma intempestiva e marcado pela insatisfação em ter todo um esforço esquecido, questionei trechos do edital num primeiro momento o que levou ao seu cancelamento. Desisti, no entanto, quando percebi que eu estava diante de uma realidade dura, para quem se dedicou por tantos anos a defender melhorias, avanços e defesa da nossa instituição. O seu tempo, sua experiência, é relegada às calendas gregas, pouco importa dentro de critérios puramente produtivistas. Uma perversão de um modelo de universidade que, embora deva ser absolutamente criteriosa na identificação do esforço do nosso trabalho, renega a importância de se lutar permanentemente pelo seu fortalecimento, e que isso possibilita uma inegável experiência aos que assim se dedicam. E sem esse esforço jamais alcançaríamos nossas conquistas.
Talvez essa seja uma das razões pelas quais muitos dos nossos colegas, mesmo estando no auge de sua capacidade intelectual e com experiência que é essencial para transmitir conhecimentos e influenciar seus alunos, optam por se aposentarem. As pressões que recaem sobre nós cotidianamente, e nos empurram para situações de estresses, terminam fazendo com que percamos competências, numa desvalorização precoce. É preciso que saibamos definir os critérios que identifiquem a nossa capacidade em se envolver naquilo que nos é exigido, do ensino, da pesquisa e da extensão, e que aquilo que fazemos seja devidamente registrado, publicado e publicizado. Mas não devemos descartar competências que acumulam experiências de décadas de contribuição à nossa universidade e na formação de uma geração, inclusive de futuros colegas que ou já estão ao nosso lado, ou nos substituirão. A Universidade deve aprender a valorizar essas experiências, pelo que possuem de capacidade, pelo que já dedicaram à instituição. Aprender a lidar com uma transição entre o velho e o novo é fundamental para reforçarmos naqueles que nos sucedem, valores que incorporam também o sentimento de pertencimento a uma instituição que não é nossa, é da sociedade, mas à qual dedicamos uma vida inteira, e por isso, pelo que construímos aqui, devemos aprender a dar o necessário valor. E o respeito àqueles que lhes legaram conhecimento e princípios fundados na ética e na valorização do saber.
Essas reflexões me ajudaram a tomar uma decisão e o que segue é o que justifica todo esse histórico anteriormente descrito.

ELEIÇÃO PARA REITOR 2017. MAIS DO QUE UM DESEJO A VONTADE DE LUTAR POR UMA UNIVERSIDADE VIVA E SEM AMARRAS

Pelo tempo que passei na UFG, o que corresponde a mais da metade de minha vida; pelo que construí em termos de relações ao longo das atividades que desempenhei e nas funções que acumulei; por ter contribuído para defender com intensidade o ensino público, gratuito e de qualidade, em nossa universidade; por ser mais do que testemunha, mas um agente ativo no processo de fortalecimento da UFG e na luta em defesa dos interesses dos professores, na condução do nosso sindicato por duas vezes; pela capacidade política adquirida ao longo de profundos embates dentro e fora da universidade e pelo acúmulo da experiência política nessas atividades e na compreensão da realidade que a minha especialidade me possibilita ter; e diante do momento político complexo que exige determinação e coragem, além de habilidade política, para lidar com ele e defender a universidade em sua condição de instituição livre e autônoma, sem amarras e sem intimidações, reforçando-a como um ambiente seguro para produzir ciência, difundir conhecimentos e lidar com as diversidades, em todos os aspectos, por todas essas razões e por mais algumas que apresentaremos nos próximos meses, é que coloco meu nome ao crivo da comunidade universitária, para a disputa da próxima ELEIÇÃO de REITOR da Universidade Federal de Goiás, no próximo ano.
Os tempos que se avizinham, e que exigirão não somente capacidade como gestor, mas efetivamente com uma liderança capaz de reunir em torno de si a comunidade universitária na defesa dos avanços que já conseguimos e o que mais se tornar necessário para colocar a UFG em posições cada vez melhor no ranking das universidades brasileiras. Mas também, que possa torná-la respeitada e reconhecida na sociedade como a instituição mais importante para o desenvolvimento regional. A UFG que queremos, livre, cada vez mais inclusiva, referência em pesquisa, gratuita e com qualidade, não pode prescindir da condição que é fundamental para o seu funcionamento, a autonomia e a garantia de recursos financeiros que lhe possibilite ampliar sempre sua capacidade a fim de atender uma demanda crescente da sociedade. Um reitor, com capacidade de intervenção política e habilidade suficiente para transitar junto aos governos para fazer uma gestão compartilhada e competente, mas que possa também ser defendida com vigor, contra as campanhas que tentam impedi-la de garantir livremente o ensino, apontando e tentando corrigir os problemas e as complexidades que afetam toda a sociedade, independente das concepções que dentro dela circulam, como um ambiente democrático, plural, de difusão de ideias e de embates políticos civilizados. Sem jamais fugir à sua função precípua, de formar jovens aptos a enfrentar a vida em sociedade e a cumprir com competência os compromissos éticos firmados em seu processo de formação nas especialidades escolhidas, contribuindo com o progresso social, nos municípios, no Estado e em nosso país e de produzir pesquisas de qualidade que contribuam para os avanços econômicos, distribuição de renda e redução das desigualdades sociais.
Acredito estar preparado para enfrentar esse desafio, e minha trajetória na UFG e no enfrentamento das adversidades, me possibilitam ter a certeza de que os tempos que iremos enfrentar são possíveis de serem superados, com capacidade, tenacidade, coragem e desprendimento político. Superação e ousadia, para fazer a UFG se fortalecer com qualidade.

Por uma universidade livre! Com autonomia, inclusão social e qualidade.
________________________________


* A homenagem que recebi, juntamente com outras personalidades, ocorreu, por coincidência, na data em que se completava mais um ano do falecimento de minha filha. Daí a expressão de emoção pelo momento ainda de muita angústia e de saudades.

3 comentários:

  1. Boa sorte, Mano! A UFG vai ganhar muito tendo um reitor como você, idealista e comprometido com a as demandas sociais, a Universidade jamais poderá perder esse viés. Vai ser a melhor escolha, com certeza!

    ResponderExcluir
  2. Muito bem Romualdo:
    A luta continua...

    ResponderExcluir
  3. Parabéns professor, sua história te credencia para para esse novo projeto.

    ResponderExcluir