segunda-feira, 6 de agosto de 2018

O QUE FIZERAM DE TI, ESPERANÇA? Uma crônica de nossos desejos, desafios e decepções políticas


“Sísifo, proletário dos deuses, impotente e revoltado, conhecia toda a extensão de sua miserável condição: é nela que pensa em sua descida. A clarividência que deveria fazer o seu tormento consuma no mesmo instante a sua vitória. Não há destino que não se supere pelo desprezo”. (Albert Camus)*

Conta-se pela mitologia grega que a ingenuidade de Epimeteu e a curiosidade de Pandora, foram responsáveis pela libertação de todos os males que viriam a povoar a terra: a doença, a guerra, a velhice, a mentira, os roubos, o ódio, o ciúme… Ao abrir a caixa onde continham esses males e libertá-los, assustada, Pandora fechou-a rapidamente, mas o suficiente apenas para mantê-la por lá a esperança. Daí se espalhou pelo mundo a lógica de que a esperança sempre está guardada, e que ela poderá em algum momento nos fazer acreditar que é possível superar as adversidades.
Mas até quando a pobre esperança nos manterá na expectativa de que poderemos contornar situações difíceis e aparentemente definidoras dos limites que são impostos a uma determinada época?
Vivemos aqui no Brasil uma situação de absoluta falta de rumo na política e do que poderá acontecer ao país nos próximos anos. Não seria tão grave se não estivéssemos em meio a uma grave crise crônica e estrutural do sistema capitalista. Mas a situação instável que vive o mundo, economicamente e em termos de grandes disputas geopolíticas, nos deixa numa condição de estarmos próximos a frequentar uma unidade de terapia intensiva. É sempre importante não olharmos para o Brasil como se aqui fosse uma ilha, alheio a tudo que acontece à sua volta. E, se em meio a uma crise estrutural séria, nos deparamos com uma crise política sem perspectivas de solução, isso nos coloca mais próximo ao abismo.
Desde 2013 que venho analisando aqui neste Blog todo esse processo, que a meu ver aqui em nosso país começa com as chamadas “jornadas de junho”, atinge seu auge com o golpe que depôs a presidenta Dilma Roussef e se mantém numa espiral crescente até sabe-se lá quando. Mas já por esse tempo era previsível as dificuldades que a esquerda teria de se recompor, diante de um vendaval de notícias ruins, fake news, e um ataque sistemático da mídia, da direita e de uma justiça absolutamente parcial e corrompida por seus interesses mesquinhos e corporativos, que tem agido com forma de vingança e com ódio de classe.
Mas ao longo desse tempo, como reagiu a esquerda, e como ela se preparou para enfrentar um processo eleitoral? Em primeiro lugar não houve nenhuma preocupação equilibrada com a reestruturação das forças, da organização, de buscar o caminho de fortalecer nossas lutas procurando reforçar pontos comuns em nossos objetivos, de forma a chegar ao processo de composição para as eleições unidos, aptos a construir uma forte aliança para enfrentar uma direita que cresceu nos últimos anos, mas que também se dividiu.
Vivemos em meio a um dilema, semelhante ao mito de Sísifo. Para citar outro personagem da mitologia, esse teria sido punido por desobedecer aos deuses, com o castigo de viver eternamente rolando uma rocha montanha acima, sendo que ao chegar no topo a rocha rolaria abaixo, necessitando que esse trabalho fosse refeito eternamente.
Parece que a esquerda está condenada aqui no Brasil ao mesmo castigo de Sísifo. Mas, nesse caso, muito em função de seus próprios erros, que, aliás, são recorrentes. Dentre eles, o hegemonismo, o exclusivismo, o sectarismo, representado principalmente pela força majoritária, o Partido do Trabalhadores, que governou o país por três mandatos e um incompleto, até o golpe que desandou as coisas e possibilitou uma perseguição inusitada até levar para a  cadeia um presidente, e um dos mais populares de toda a nossa história.
Neste texto não tenho como analisar todas essas circunstâncias e equívocos cometidos. De certa maneira já abordei em textos anteriores, que, como disse, podem ser lidos aqui no Blog. Mas dedicarei a maior parte deste artigo a analisar o comportamento da esquerda na pré-campanha eleitoral de 2018, as táticas, os nomes postos e os comportamentos aleatórios de quem deveria saber se guiar por ensinamentos seculares de como a política deve ser utilizada no objetivo de atender as necessidades do povo e não somente dos interesses menores seja dos partidos ou dos grupos que os compõem.
Começo dizendo que, para além da injustiça que se comete contra o ex-presidente Lula, a estratégia pensada não deveria ser da insistência de uma candidatura sabidamente inelegível. Por lei aprovada durante seu governo e sancionada por ele próprio. Entendo o desespero perante tamanhas manobras da justiça brasileira a condenar alguém que chegou a essa condição por sua origem de classe, por superar desafios que a elite e as oligarquias brasileiras jamais esperariam de um nordestino que se tornou operário na maior metrópole desse país e uma liderança incontestável em sua força e carisma.
Contudo, o que estava em jogo não é somente a liberdade de Lula, a meu ver somente a ser garantida com a eleição de um governo de esquerda. Mas o que está em jogo é o futuro do país e as condições de vida de nosso povo, igualmente injustiçado com a destruição de políticas sociais criadas em seu governo e da presidenta Dilma. Exatamente por isso dever-se-ia pensar para além de seu próprio destino, e vê-lo ligado ao destino de nosso povo. Era preciso, então, na construção das alianças para o processo eleitoral, pensar em primeiro lugar na libertação de nosso povo, na vitória da esquerda e a partir daí, a garantia de que a justiça pudesse ser feita com vitória nas urnas e Lula livre!
Mas por todo esse tempo prevaleceu muito mais do que a razão, a emoção. A estratégia do golpe tinha como alvo, nitidamente, o presidente Lula. Claro, antes era preciso derrubar uma presidenta e desconstruir por meio de uma intensa campanha de mídia e de financiamento de grupos que se fortaleceram ao longo desse processo, fazendo despertar uma direita intolerante, cruel e perversa, alterando o percurso do golpe e transferindo para uma figura torpe a condição de se alçar a líder nas pesquisas eleitorais e a se colocar como alternativa ao poder, podendo levar o país ao aprofundamento de uma crise política que pode nos jogar mais ainda ao fundo do poço.
Ora, se a esquerda foi atingida duramente nesse processo, não somente a força que detinha, como sua credibilidade, era natural que as táticas a serem implementadas tivesse em vista um objetivo claro, retomar o poder. Nas condições existentes isso jamais poderia ser pensado sem que fosse pelo caminho da unidade da esquerda. Caso não fosse assim, poderia ser dito, com tranquilidade, que os objetivos dos golpistas, mesmo com situações que saíram pela culatra, foram alcançados. Dentre esses objetivos, naturalmente, isolar os partidos de esquerdas e mantê-los desunidos para serem mais facilmente derrotados.
No entanto como se comportou o partido majoritário da esquerda? Justamente aquele que se tornou o principal alvo dos ataques desfechados com o golpe? O Partido dos Trabalhadores confundiu a bandeira de luta pela liberdade de Lula, com a sua estratégia eleitoral, e levou para a prisão juntamente com ele, toda uma esperança de conseguir,  a partir dessa situação, unificar os partidos de esquerda, ou de centro-esquerda, para retomar o poder e contra-atacar os golpistas que em dado momento pareciam também completamente desnorteados com o crescimento da extrema-direita.
Adotou um comportamento contrário, se isolou em uma tática suicida, que pode dar certo, tanto quanto isso acontece numa disputa do alucinado jogo “roleta russa”. Insistiu na candidatura de Lula, e, pior, passou a desconstruir outra candidatura do campo da centro-esquerda, jogou com fiéis aliados, como o PCdoB, e nos Estados insistiu no hegemonismo sectário de não abrir mão para lideranças que possam lhes ameaçar futuramente. Quase no final da hora final, assestou um golpe fatal que terminou por isolar a candidatura de Ciro Gomes, do PDT, mesmo que à custa de demolir a candidatura de uma jovem liderança em ascensão em Pernambuco, com um efeito colateral que atingiu no Amazonas a candidatura de uma senadora que foi um dos baluartes na defesa do mandato da presidenta Dilma Roussef: Vanessa Graziotini. Ao final, sob o beneplácito do PCdoB, a essa altura sem muitas alternativas e ainda acreditando que isso significava uma unidade da esquerda, finalizou com uma aliança que mantém dois candidatos à presidência (Lula e Haddad) e duas candidaturas à vice (Haddad e Manuela), numa situação inusitada em toda a história política brasileira.
Em Goiás, onde a disputa está firmemente concentrada no campo dos conservadores, com um direitista contumaz, criador da UDR e financiador de milícias durante a Constituinte de 1985 para assassinar trabalhadores rurais, Ronaldo Caiado, disputando a liderança nas pesquisas, o Partido dos Trabalhadores manteve-se altivo, no alto de seu salto, então colado com super-bond. Aceitou coligar-se com o PCdoB, cedendo, no entanto, somente a vaga de vice numa chapa majoritária onde há ainda a disputa por duas vagas ao Senado, uma das quais me apresentei na condição de pré-candidato. Numa postura inarredável manteve, como sempre se acostumou a fazer, o PCdoB encostado numa parede, sem outra alternativa senão aceitar o comportamento impositivo e hegemonista que se tornou marca característica do PT. Compreenda-se também pelo fato deste ser um partido de tendências, em cuja disputa interna leva também à necessidade de acomodar indicados por cada um desses grupos, o que não e diferencia muito do tradicional fisiologismo dos partidos conservadores.
Coloquei-me na condição de contribuir com a luta, com o debate e entrar no ambiente desgastado da política atual, e acreditei poder ser um nome que viesse a encarar o desafio de tentar desmontar a farsa que se criou nesses últimos anos com discursos hipócritas que alienaram mais ainda as pessoas, acentuando o ódio, a intolerância e a estupidez. Mesmo sabendo das dificuldades me dispus a encarar essas dificuldades. Mas, não que eu não estivesse ciente que isso poderia acontecer, já que sou militante de longas datas, percebi que a esquerda não precisa da direita para se destruir, se isolar e se apequenar diante do poder dos conservadores. Ela é autofágica, guia-se pelos mesmos sentimentos daqueles que fazem políticas tradicionais, muito embora seja diferente no discurso, e ao final para alguns que a compõe não é a preocupação com o povo que os movem, mas sim, são seus interesses particularistas e de grupos, com foco no poder e nos privilégios que são concedidos a partir daí. Mantêm-se sempre os mesmos na condução desses processos, na apresentação dos nomes, na defesa de seus mandatos e na capacidade ceifadora de cortar cabeças de prováveis lideranças que venham a ameaçar também seus hegemonismos internos. Contribuem, no entanto, com esse comportamento, com o descrédito como as pessoas veem os políticos e os igualam, e destroem a política que possa ser vista como uma condição necessária para a libertação desse povo, mas a transformam em instrumentos de seus próprios interesses.
Assim, mantém a esperança aprisionada (aqui não há necessariamente relação com o Lula, mas pode ser visto como uma metáfora) e assume a condição que levou a punição de Sísifo, condenados a carregarem rochas para cima da montanha. Mas ao contrário do que se segue na mitologia, há um abismo ao final do percurso. Não sei se escaparemos dele, ou se a rocha rolará montanha abaixo e seguirá sendo levada ao cume, antes de despencar de uma vez no precipício. O que sei, e sinto, é que a esperança se esvai, nossa paciência também, e com tudo isso, desacreditamos na possibilidade de construir algo diferente, um tipo de política diferente, com pessoas que de fato coloquem o interesse coletivo para muito além das mesquinharias e vaidades que destroem nossas utopias.
Não sei como me comportar daqui para adiante, o certo é que não tenho nenhum interesse em ficar condenado a rolar rochas montanha acima. Vou procurar em algum canto, se ainda resta por lá uma esperança. Mas decerto que não sou eu quem está enclausurado em uma caverna.


(*) http://www.teatrodomundo.com.br/o-mito-de-sisifo/

Nenhum comentário:

Postar um comentário